Quando começar ler para o bebê?

Sempre tive vontade de ler para o Davi, mas tinha dúvidas sobre qual o melhor momento para iniciar a leitura. Procurei em alguns sites informações a respeito e descobri que o quanto antes fizer será melhor para o desenvolvimento do bebê. Claro, ele não vai entender a história, o tema, ficar com medo de bruxas ou querer ser um super herói, mas terá o prazer de ouvir a mamãe (ou o papai) contando uma historinha para ele.
É também através da nossa interpretação, do nosso tom de voz e do nosso entusiasmo na leitura que o bebê começará a perceber o mundo e também facilitará o desenvolvimento da fala e do pensamento, já que as informações ficarão registradas no cérebro dele. As ilustrações também são importantes, devem ser grandes, coloridas e sem estereótipos.

O que ler?

Podem ser poesias, histórias de repetição, que envolvam musicalidade, etc. A simples pausa para trocar parágrafos ou virar as páginas já chamam a atenção da criança.

Dicas:

Na hora de apresentar um livro, escolha histórias curtas, mas que tenham um enredo que você também goste,

Prepare o ambiente, coloque o bebê no colo e conte a história sem pressa,

Bebês adoram histórias com repetição, grandes ilustrações, poemas e brincadeiras com palavras,

Embora conheçam tudo com as mãos e a boca, não quer dizer que só precise ser de plástico para não estragar. Vá, aos poucos, ensinando que livro não se põe na boca, não se rabisca, nem rasga…

Abaixo sugestões de 10 títulos de livros indicados. Ainda não os li, mas me pareceram atraentes:

o que o bebe faz

O que o bebê faz?
Estimula a compreensão de palavras e ações, o desenvolvimento da memória, a interação e a imitação. Com as abas, trabalha o conceito de que as coisas não desaparecem quando não estão visíveis.
Coleção: Bebê + Esperto
Editora: Girassol
Faixa etária: 6 a 12 meses

o que o bebe diz

O que o bebê diz?
Estimula a compreensão de palavras e ações, desenvolvimento da memória, interação e imitação. Com as abas, trabalha o conceito de que as coisas não desaparecem quando não estão visíveis.
Coleção: Bebê + Esperto
Editora: Girassol
Faixa etária: 12 a 18 meses

primeiras palavras

Esconde-esconde: Primeiras Palavras
Com centenas de imagens coloridas e inúmeras possibilidades de atividades lúdicas, o livro faz com que o aprendizado torne-se uma brincadeira, tanto para as crianças que estão começando a desenvolver a fala quanto para as que já começaram a escrever. O livro é dividido em 22 seções, cada uma abordando um tema diferente – brinquedos, cores, roupas, veículos, instrumentos musicais, plantas, bichos e muitos outros, que fazem parte do universo dos pequenos.
Autor: Dawn Sirett
Editora: Publifolha Editora
Faixa etária: zero a 5 anos

meu coração..

Meu coração é um zoológico
Nesta obra, o autor buscou criar um zoológico com os animais preferidos de um menino, como leão, touro, foca, lobo, pinguim, entre outros. As rimas propõem dar a cada animal um adjetivo que lhe é peculiar e Michael Hall desenha todos eles apenas usando vários corações.
Autor: Michael Hall
Editora: Paz e Terra
Faixa etária: a partir de 3 anos

o livro negro...

O Livro Negro das Cores
É uma experiência de leitura que explora os sentidos. Por meio de uma história em que Tomás, o personagem principal, guia o leitor a conhecer o mundo dos cheiros, sabores e sons. O texto, com a tradução em Braille e com imagens sugeridas, convida o leitor a tocá-las e a perceber esse universo.
Autor: Menena Cottin e Rosana Faria
Editora: Pallas
Faixa etária: a partir de 3 anos

até os monstros...

Até os Monstros Arrumam o Cabelo
Uma experiência cabeluda. Uma vez por mês, quando a lua cheia aparece, é hora de o jovem barbeiro entrar em ação. Seus clientes são habituais, mas nada comuns. Ele precisa de um pouco mais do que tesouras para enfrentar a tarefa de dar um trato nos cabelos dos monstros: a loção diabólica, o gel do terror e a cera de ferrão de abelha farão parte do truque. Ser um barbeiro da meia-noite não é nada fácil, mas até os monstros arrumam os cabelos.
Autor: Matthew Mcelligott
Editora: Prumo
Faixa etária: a partir de 5 anos

o bigode...

O Bigode do Leão
Originalmente publicado em francês, o texto inclui contos tradicionais de diversas culturas ao redor do mundo apresentados poeticamente com ilustrações. Neste livro, o leitor entra em contato com ensinamentos ancestrais do Tibete, da Escócia e da Grécia, dentre outros.
Autor: Jean-Jacques Fdida
Editora: Pallas
Faixa etária: a partir de 5 anos

quem sou eu

Quem sou eu?
Montado em forma de adivinhações, o livro trata do começo da vida quando ainda estamos dentro da barriga das mães. Ao tentar achar a resposta para esse jogo de adivinhação e acertar quem é o personagem misterioso que passa por incríveis transformações, as crianças vão aprender inúmeras curiosidades sobre esse importante momento da vida.
Autor: Sílvia Zatz
Editora: Companhia das Letrinhas
Faixa etária: a partir de 4 anos

apolinário

Apolinário – o Homem-Dicionário
O livro conta a história de um professor que vai em busca da palavra perdida. As rimas brincam com a grafia das palavras, com o significado, a concordância e a pontuação.
Autor: Fabio Yabu
Ilustrador: Daniel Bueno
Editora: Panda Books
Faixa etária: a partir de 10 anos

baile do menino

Baile do Menino Deus
Essa história gira em torno de uma festa que vai acontecer, tendo os brincantes como personagens que seguem de casa em casa e um palhaço, Mateus, conduzindo a narrativa. A obra busca ensinar aos leitores que existe outro Natal, diferente daquele que se vê em lojas e shoppings.
Autor: Ronaldo Correia de Brito e Assis Lima
Ilustrador: Flavio Fargas
Editora: Objetiva
Faixa etária: a partir de 5 anos

Fonte da indicação dos livros: http://vidadebebe.terra.com.br

Anúncios

Começando engatinhar

engatinhando

Faz duas semanas que o Davi começou engatinhar. Foi um dia muito especial quando meu marido foi buscá-lo na minha mãe e chegou todo feliz perguntando se eu já estava “sabendo”. Eu respondi que não sabia, daí então ele o colocou no chão, pegou um brinquedo e posicionou um pouquinho distante para ele buscar. De repente, ainda com certa dificuldade, começou a se movimentar e sair do lugar. A COISA MAIS LINDA DO MUNDO! Não pude segurar e fiquei tão emocionada com ele que comecei a pular, rir, chorar, parecia uma doida!
Depois disso percebi que a atenção voltada com o bebê teria que ser redobrada. Passando a observar melhor a situação, vi que a maior “culpada” por tudo o que iria acontecer a partir daquele momento era a curiosidade. Tudo ele queria ver, pegar, colocar na boca, etc. Então, passei a prestar atenção nos mínimos detalhes.
Eis então que preparei uma listinha de dicas e alertas que passei a aprender nesse comecinho da nova descoberta do Davi:

1. Cuidado com coisas que podem cair por cima do bebê. (tenho um trio de gatos de madeira no chão da sala, que caíram sobre o Davi quando ele colocou a mão)
2. Muita atenção com migalhas e outros objetos espalhados pelo chão, principalmente os pequenos, pois vão direto para a boca. (incrível como as coisinhas pequenas são mais atraentes)
3. Atenção também com peças dos brinquedos que podem se soltar e serem levadas à boca. (Davi ganhou uma bexiga que estava decorada como porquinha, ele conseguiu arrancar os olhinhos para colocar na boca)
4. Cuidado também com as gavetas, que podem ser abertas e prender os dedinhos
5. Locais onde o bebê pode se apoiar e subir. Como ainda não tem muita coordenação e equilíbrio, é fácil cair e se machucar.
6. Procure deixar espaço mais livre possível para o bebê se locomover. Poltronas, cadeiras, tapetes, podem dificultar o movimento, prender o bebê ou machuca-lo de alguma forma.
7. Renda-se ao chão junto com o bebê. Sente com ele, jogue uma bolinha para ele ir buscar, imite-o, ria, faça brincadeiras. Ele vai amar!

Bom, tudo isso eu percebi em apenas uma semana depois que ele aprendeu engatinhar e olha quanta coisa, quanta descoberta para ele.

Viver para aprender! ♥

Papinha caseira x Potinhos prontos

Uma dúvida que surgiu é sobre a utilização das papinhas (ou sobremesas) que compramos prontas em potinhos no supermercado. Eu vivo com essa dúvida quando estou fora e preciso comprar o vidrinho. Estou cansada de ouvir meu pai dizer “Aqui em casa não tem nada industrializado, o Davi come tudo preparado pela sua mãe, nada de potinho” (o Davi fica com a minha mãe enquanto estou no trabalho). Ok pai, eu sei que as papinhas caseiras, com ingredientes selecionados são muuuuuuuuito melhores. Mas e as prontas, não são recomendadas?
Pesquisei sobre o assunto para continuar comprando nas emergências ou banir de vez do cardápio do bebê e descobri informações importantes:

♥ Papinha Caseira:

papinha caseira

🙂 Prós:

1. Maior variedade de sabores, combinações e texturas
2. Pode ser preparada com ingredientes nutricionais específicos para a necessidade do bebê
3. Pode ser preparada em maior quantidade, para congelar e consumir em porções (o bolso agradece)
4. Uso de ingredientes frescos, inclusive orgânicos
5. Frutas frescas e com melhor aproveitamento dos elementos nutricionais
6. O prazer em preparar o papá de nossos filhotes

😦 Contra:

Nada!

♥ Papinhas prontas:

papinha pronta

🙂 Prós:

1. Praticidade, de boa qualidade e elaboradas com rigor nutricional
2. Em geral, sem conservantes
3. Melhor para ser levada em passeios ou viagens longas, já que a papinha caseira pode estragar mais rápido por causa da temperatura inadequada

😦 Contra:

1. Após aberta, só deve ser guardada se a porção de consumo for separada antes, se for mantida sob refrigeração e por, no máximo, 24 horas
2. Menor variedade de sabores e preço mais alto
3. Consistência, cor e sabores parecidos, o que torna a alimentação monótona e menos atraente
4. Não favorecem o desenvolvimento da mastigação

Resumindo: No dia-a-dia a melhor escolha é preparar as papinhas e sopinhas em casa e em situações esporádicas como passeios e viagens, levar as industrializadas.

Viver para aprender!

O bebê de 10 meses:

Brasil Baby Center:

 

Mais ágil

Aos 10 meses, os bebês  geralmente engatinham bem,  apoiando-se nas mãos e joelhos e com o tronco paralelo ao chão. Muitas crianças  até já engatinham antes disso, mas aprimoram os movimentos nesta fase. Seu filho  também já senta com  firmeza e é capaz de andar segurando-se em  móveis, possivelmente soltando as mãos por alguns segundo e ficando de pé  sozinho.
Uma vez que consiga se equilibrar por conta própria, o bebê  vai usar outros objetos para se apoiar, vai encontrar formas de escalar móveis e  até de subir escadas. Ele dará uns passinhos meio incertos quando você o colocar  em posição para andar e, muitas vezes, tentará pegar um brinquedinho. Os  primeiros passos de fato rumo à independência — e ao fim daqueles longos  momentos no carrinho — vão surpreender você a qualquer minuto.

Uso dos dedos da mão

Os dedos da mão do  bebê estão mais habilidosos. Ele consegue pegar um pequeno objeto entre os dedos  polegar e indicador ou médio sem ter que apoiar o punho em uma superfície (e,  agora que seu filho já está comendo alimentos  sólidos, prepare-se para muita sujeira no chão).
Qualquer coisa bem  pequena é intrigante e vai parar na boca. Não há nenhum problema com isso, desde  que tais “achados” sejam comestíveis e não tão pequenos que possam fazer a  criança engasgar.

Personalidade que se revela

O temperamento  começa a desabrochar. Algumas crianças são bem sociáveis e distribuem sorrisos  para todo mundo; outras já são mais reticentes e escondem o rosto quando algum  desconhecido se aproxima. O bebê repete sons, faz gestos para chamar a sua  atenção e até dá tchau quando vê você na porta. Ele também está desenvolvendo  seus próprios gostos, algo que você vai notar quando ouvir protestos por  colocá-lo na cadeirinha do carro ou no carrinho — ele pode até arquear as  costas, tornando a tarefa quase uma missão impossível para você.

Lidando com os medos do bebê

Certamente, o  seu bebê terá medo de coisas que não consegue entender ou até de circunstâncias  que não o incomodavam antes, como o barulho da campainha ou do telefone. Quando  isso acontecer, o melhor a fazer é confortá-lo e explicar o que é aquilo que o  assustou.

Tagarela

Neste momento, em que os bebês  entendem palavras e frases simples, é importantíssimo conversar muito com eles.  Um bom estímulo é repetir as palavras do seu filho com linguagem adulta. Por  exemplo, se ele pedir “mamá”, você sutilmente ensina a palavra correta  perguntando de volta: “Você quer a mamadeira?”.
Agora é aconselhável  evitar a fala infantilizada, já que, apesar de ser gostoso falar assim, é melhor  para o desenvolvimento da criança ouvir a maneira certa de se dizer as coisas. 
Por vezes pode parecer meio bobo, mas a conversa com uma criança dessa  idade ajuda a aprimorar a linguagem. Quando seu filho soltar uma daquelas frases  absolutamente ininteligíveis, simplesmente responda com um “não me diga” ou “é  verdade?”. Ele provavelmente vai sorrir e continuar a falar. Em pouco tempo,  você vai perceber que entende algumas palavras, assim como outras formas de  comunicação, como apontar e resmungar.
Outra coisa que vale a pena é  descrever passo a passo o que você está fazendo, seja na cozinha, no computador  ou na hora de vesti-lo. Ao trocar seu filho para passear, explique: “Vou te  colocar no carrinho. Agora vou pôr o cinto. Pronto. Vamos passear”. Aproveite  também para cantar e demonstrar como palavras e gestos combinam (como por  exemplo dizendo tchau e acenando ao mesmo tempo). Assim ele passa a absorver  palavras-chave e frases recorrentes.
Em breve, o bebê vai começar a  ligar as coisas. Quando alguém bater palmas, ele baterá também, e poderá dizer  “ma-ma” ao olhar para a mãe ou para a mamadeira e “pa-pa” ao avistar o pai ou a  comida. As mesmas palavras, aliás, terão múltiplas funções e, aos poucos, você  vai aprender o que elas querem dizer para o seu filho.

Será que o desenvolvimento do meu filho é  normal?

Lembre-se, cada bebê é de um jeito e atinge certos marcos de  desenvolvimento físico no seu próprio ritmo. O que apresentamos são apenas  referências de etapas que seu filho tem potencial para alcançar — se não agora,  em pouco tempo.
Caso seu filho tenha nascido prematuro, é provável que  você observe que ele leva um pouco mais de tempo para fazer as mesmas coisas que  outras crianças de idade similar. Não se preocupe, a maioria dos médicos avalia  o desenvolvimento de um prematuro conforme a idade corrigida e acompanha seu  progresso levando isso em conta.

Fonte: http://brasil.babycenter.com/a800124/o-beb%C3%AA-de-10-meses

10 meses!

10 meses

Gente, não consigo acreditar como o tempo voa! Hoje o Davi completa mais um mês de vida. E já são 10! rs Apenas mais dois meses e ele já completará 1 aninho! Uau!
Esse último mês foi de muito aprendizado. Ele começou engatinhar, finalmente. Eu estava bem ansiosa pra isso, não via a hora de vê-lo pra lá e pra cá.
Sua personalidade está aflorada, o menino agora acha “que é gente”. Para colocar no carrinho é uma luta, arqueia as costas e endurece o corpo que ninguém consegue colocá-lo lá. Na hora de trocar a fralda mesma coisa, arqueia as costas, vira de lado e foge. Uma luta!
Se quer algo que não pode, grita, berra e quando substituímos e entregamos a ele outra coisa, atira no chão tipo “não é isso que eu quero”. Bom, estamos pacientemente trabalhando isso para que ele não cresça uma criança birrenta e desobediente. O pediatra disse que é fase, mas que não devemos amolecer, embora não obedeça a tudo ainda, ele já sabe perfeitamente o que é sim e o que é não e também os tons de voz como, por exemplo, uma bronquinha que, conforme ele não faz mal a ninguém.
Bom, mas não só birras ele aprendeu. Aprendeu também a “conversar”. É uma falação só naquele dialeto lindo, na linguagem dos bebês. Aprendeu a chamar a gente (do jeito dele). Comigo é “mãããããããã”, com o resto é “mááááááá”…
E as caretinhas? A coisa mais fofa do mundo. Se tem mais de uma pessoa tirando foto dele, ele olha para cada câmera, uma por vez e faz a tal caretinha. Um sarro!
Gosta de atirar coisas no chão e bater com força para fazer barulho. Arranca o prendedor de chupetas da roupinha e fica girando na maior rapidez com a mãozinha! Sim ele faz isso com a maior coordenação motora. Quer subir em tudo e se enfiar debaixo das coisas. Adora jogar os carrinhos embaixo do sofá! Já quer levantar e ficar de pé no berço!
Ufa, quanto aprendizado, quanta energia!
O que será que nos espera daqui pra frente hein? Com certeza muito mais travessuras para que no final do dia estejamos mortinhos com farofa! kkkk
Vamos nessa! Viver para aprender! 🙂

O primeiro banho com o papai

No último domingo o papai me perguntou se podia tomar banho com o Davi. Ele já havia me pedido algumas vezes, mas eu ficava insegura. Como estava um dia lindo, de calor, achei que não teria problema tentar.
Então preparamos o ambiente, e lá fomos nós três! Não, eu não tomei banho junto, mas fiquei de “segurança” do lado de fora pra qualquer emergência (rs). Foi um momento muito bonito e marcante. De início o papai ficou um pouco travado, acho que com medo de deixar o bebê cair, mas aos poucos os dois foram relaxando e foi uma experiência muito gostosa. A reação do Davi com o chuveiro foi engraçada, ele olhava, queria pegar a água caindo, levantava o pezinho para molhar e nem ligou quando o papai colocou o rostinho dele na água, até curtiu.
Foi lindo ver os dois ali, num momento de confiança e descoberta um com o outro. E aquele corpinho peladinho do Davi? Coisa mais linda com o papai no chuveiro.
Depois, para que o papai pudesse terminar o banho, colocamos a banheira com os brinquedinhos na água e foi aquela festa, ele batia as mãozinhas com força espalhando água, pegava o carrinho, gritava, uma alegria só!
Agora falta a mamãe tomar coragem e também experimentar esse novo contato, que tenho certeza que será delicioso.
Como é bom passar todas as fases do bebê. Sim, dá uma melancolia às vezes por ver o tempo passando rápido, mas por outro lado é tão emocionante, tão motivador! O importante é aproveitar ao máximo cada momento, cada descoberta, fazer o que se tem vontade, ser criança junto com a nossa de verdade! rsss
Um beijo.

banho

Meu melhor presente de aniversário:

aniversario

Esse post será dedicado especialmente para mim! Sim, porque hoje é o dia do meu aniversário!
E eu só tenho a agradecer todas as bênçãos que eu tenho na minha vida. Agradecer pela família que é o meu alicerce e agradecer principalmente pelo melhor presente de todos. Aquele que coloriu a minha vida, que me tornou mulher, mas ao mesmo tempo criança, que dá frio na barriga quando penso nele, que não me deixa sentir sozinha jamais, pois está sempre ali comigo.
Obrigada meu Deus, por ter me enviado um ser tão lindo, tão precioso, tão especial como presente. Prometo cuidar dele com todo o meu amor. Dar a ele o melhor de mim para que esse presente seja sempre feliz.
Meu melhor presente de todos é o meu filho, com toda a certeza!
Te amo!