Hora do Sono: existe certo e errado?

certo ou

Olá!

Antes de ser mãe eu sempre ouvia muitas histórias relacionadas ao sono do bebê. A maioria delas relatava o sofrimento que é para o bebê dormir até conhecer e se acalmar sobre o lado daqui de fora.
Quando engravidei, fui logo pesquisando a respeito, pois queria estar expert no assunto quando o baby chegasse. Foi aí que que percebi o mundo de “receitas milagrosas”, livros e até simpatias para a temida hora do sono. Ouvi muitas e muitas vezes alguém me dizer: “Aproveita para dormir agora, porque depois…..”
Daí chegou o grande dia, a chegada do bebê. A impressão de que ele era calminho durou bem pouco, ainda no hospital eu ouvia um berreiro no corredor que ficava cada vez mais próximo e eu confirmava: era o Davi chegando!
E então pude comprovar o que sempre ouvia, pois o meu bebê também chorava muito durante a noite, acordava o tempo inteiro e eu, que achava que estava craque no assunto – sim, sabia de cor todas as “receitas mágicas” – mas na prática foi tudo por água abaixo!
Tentava de tudo e nada, cada dia parecia mais difícil e no retorno ao trabalho minha vontade era de jogar a toalha.
Bom, parece incrível, mas as coisas começaram a melhorar quando eu desencanei um pouco, deixei de lado as regras impostas por sei lá quem e decidi seguir o meu coração (com o aval do marido). Comecei a questionar se realmente existia certo e errado e testei outras formas.
Alguns dias eu ficava com ele no colo e quando via que realmente tinha “apagado” o colocava no berço, outros eu percebi que ele estava mais calminho e levava para o berço e lá ele adormecia, em outros casos ele estava resmungão, acordava muito e então eu o colocava em nossa cama e por lá ficava.
Percebi que os ânimos estavam mais calmos em casa, assim como minha disposição, humor e até o rendimento no trabalho.
Conclusão: acho maravilhoso aquelas mamães que conseguem estabelecer uma rotina certinha todos os dias, melhor ainda quando o bebê já chega com uma personalidade calminha. Mas também acho que ter sua própria “receita” não deixa de ser uma rotina.
Hoje, consigo dormir bem melhor. Como o Davi já está com 1 ano e três meses, brinca muito durante o dia e se cansa mais, o que favorece um sono mais pesado. Mas tem dias em que está bem agitado, então nada de stress para dormir no horário certo, simplesmente a hora em que vamos “desligar”, o coloco na minha cama, em pouco tempo ele adormece e então eu o levo para o seu quarto. Tem funcionado dessa forma.
Para mim, o mais importante é ver todo mundo satisfeito. Ter uma boa noite de sono e uma rotina diária saudável para todo mundo.
Um dia eles vão crescer, dormir em suas camas ou então, nem voltar para casa! Daí são mais noites em claro, né mamães? Mas até lá….bons sonhos a todas! ♥

A HORA DO SONO – PARTE 3

pés

Na parte 2 da hora do sono, eu afirmei que, a medida em que o bebê cresce, a noite de sono dele começa a melhorar (e a minha também rs). ok, isso é verdade, porém, se não for estabelecida uma rotina diária com ele, todo o esforço vai por água abaixo.
Durante o mês de julho, tivemos dias de muito frio. O quarto do Davi estava bem gelado e ele acordava toda hora. Com dor no coração por vê-lo sozinho naquele friozão, durante uma sexta-feira deixamos ele ficar em nossa cama, já estava lá mesmo!!! Ele dormiu como um anjo a noite todinha e acordou com um incrível bom humor.
No sábado, estávamos assistindo um filminho na cama e…….”Ah, deixa ele aí, vai!”
No domingo voltamos a coloca-lo na caminha, certo? NÃO! “Só hoje, vai!” E assim foram os dias de friozão!
Quando decidimos o dia pra voltar para o quarto dele, foi aquela canseira: ele não dormia de jeito nenhum, quando adormeceu, acordava de hora em hora, chorou, resmungou e foi um sofrimento danado pra nós três (bebê, mamãe e papai). Vamos começar do zero. E assim está sendo.
Por isso digo que tudo é de nossa responsabilidade. Lógico que é uma delícia ter aquele pequenino no meio de nós na cama, mas é preciso ter consciência do que virá depois…

Os seis grandes erros na hora de dormir:
por: Brasil Baby Center

Erro 1: pôr a criança na cama muito tarde
Hoje em dia as crianças dormem menos do que antigamente. Um estudo mostrou que crianças de 2 anos dormem hoje 40 minutos a menos, em média, que crianças da mesma idade da geração anterior. O resultado da falta de sono, segundo estudiosos, é que as crianças acordam mais à noite, têm dificuldade para adormecer e para dormir durante o dia.

É muito comum que os pais cheguem do trabalho tarde, e deixem a criança ir para a cama mais tarde para poder passar mais tempo com ela. Ou que a criança não tenha horários certos para dormir.

A especialista Jill Spivack, autora de um livro sobre como fazer crianças de até 5 anos dormirem bem (“The sleepeasy solution”), afirma: “Quando elas ficam cansadas demais, têm mais dificuldade de pegar no sono e de dormir um sono tranquilo; também acordam mais cedo”.

Quando a criança é mais velha, a culpa é muitas vezes da agenda superocupada. Você conhece a história: até todo mundo chegar em casa, jantar, fazer lição de casa etc., a hora de dormir acaba se atrasando mais e mais. E você acaba deixando, na esperança de que alguma hora as crianças acabem desmaiando de sono sem você ter de interferir.

Só que o plano não dá certo, pois, quando estão cansadas demais, as crianças ficam hiperativas.

Solução: Marque uma hora para a criança ir para a cama (e também para o sono de durante o dia) e siga esse horário. Não espere até ver seu filho bocejando, choramingando ou esfregando os olhos. Aí provavelmente ele já passou do ponto. Coloque-o na cama antes disso. Até 15 ou 20 minutos de sono a mais podem fazer uma bela diferença.

É verdade que cada criança é diferente, mas vai uma regra geral: bebês e crianças de até 3 anos normalmente precisam dormir 11 horas à noite. Quando deixam de dormir durante o dia, as crianças precisam de 12 horas, e quando ficam mais velhas podem dormir de 10 a 11 horas.

Consulte nossa tabela, calcule a hora em que seu filho precisa acordar (ou acorda de qualquer jeito, se for madrugador) e baixe um decreto marcando a hora de ir para a cama. É bom planejar começar o processo cerca de meia hora antes.

Erro 2: apelar para o movimento
É difícil não sucumbir a esse truque quando o bebê é pequeno. Ele não dorme de jeito nenhum: você coloca no carrinho, balança no colo, deita com ele na rede, caminha com ele pela casa e pronto, a paz voltou a reinar.

Não há problema em recorrer ao balanço e ao movimento como um dos últimos recursos, em situação de emergência, mas alguns pais e mães acabam caindo na armadilha de usar sempre a mesma estratégia para fazer a criança dormir.

“Quando a criança sempre dorme em movimento — em carrinhos ou no carro –, ela não chega a ter aquele sono mais profundo e restaurador”, diz o pediatra Marc Weissbluth, também autor de um livro sobre o assunto (“Healthy sleep habits, happy child”). Pense na qualidade do seu sono quando está no ônibus, ou no avião.

Solução: Use o movimento e o balanço para acalmar a criança, mas não para fazê-la dormir. E, se não tiver jeito, procure completar o sono sem o balanço: estacione o carrinho, desligue o balanço do bebê-conforto. Se a viagem de carro for comprida, porém, desencane. É uma vez na vida e não vai haver problema nenhum. Aproveite e aprecie o silêncio!

Erro 3: excesso de estímulos
Veja o móbile do berço, por exemplo: às vezes, em vez de acalmar e distrair a criança, ele a acorda ainda mais. Cuidado com sons altos e cores muito intensas. Para crianças maiores, é bom tirar o excesso de brinquedos da cama ou do berço.

Solução: Mantenha o quarto bem escuro à noite, e elimine tudo o que chame a atenção da criança na hora de dormir. Para bebês, numa escala de 1 a 10, sendo 10 o mais escuro, o quarto deve estar no 8 ou no 9, diz Spivack.

Para crianças mais velhas, é possível manter uma luz no quarto, para afastar os medos, mas que não seja suficiente para outras brincadeiras. Por isso também é melhor não manter a TV ou o computador no quarto da criança.

Erro 4: não seguir um ritual na hora de dormir
Com um bebê, é mais fácil seguir a mesma rotina todo dia: um banho, alimentação, uma história ou uma música. Mesmo que você ache que a criança ainda não entenda, a previsibilidade da rotina ajuda a acalmá-la.

Muitas vezes, os pais acabam abandonando esse tipo de rotina quando os filhos ficam maiorzinhos (ou porque acham que a criança não precisa mais ou porque simplesmente estão exaustos demais para pensar nisso). Mas até para os adultos a instalação da rotina é positiva.

Solução: Crie um ritual para a hora de dormir e siga-o sempre. Não importa a idade da criança. O ritual ajuda a dar “pistas” a ela de que é hora de começar a sossegar.

Consulte nossas ideias para rituais para bebês e para crianças de 1 a 3 anos.

Erro 5: fazer as coisas cada dia de um jeito
Alguns dias por semana, quando seu filho está bem manhoso, você se deita com ele até ele adormecer. Outros, deixa que ele pegue no sono no sofá da sala, assistindo à TV. E de vez em quando, obriga-o a dormir sozinho no quarto, reclame o quanto reclamar.

O problema não é o método, mas a inconstância. Pode ser até que você não se incomode de dormir no quarto dele, ou de tê-lo na sua cama a noite toda, mas na maioria das vezes os pais acabam presos numa situação que não teriam planejado se tivessem a opção.

Você conhece bem o caso. Uma hora da manhã. A criança chora, você vai até o quarto, espera ela se acalmar e volta para a cama. Uma hora depois, a mesma coisa. Da próxima vez, lá pelas 3h, você não aguenta e a leva para sua cama, para que ela finalmente durma. Nesse caso, a mensagem que você está passando para o seu filho é: insista bastante, que você vai acabar conseguindo o que quer.

Solução: Crie (e siga!) regras sobre o lugar de dormir.

Se você não quer que seu filho vá todo dia para sua cama, deixe isso bem claro. Explique que ele tem de dormir na cama dele. No começo, talvez você precise levá-lo de volta algumas vezes (ou muitas!). Mas não desista. Ele vai acabar absorvendo a regra.

É claro que há exceções. Se ele está doente, ou há uma tempestade lá fora, você pode deixá-lo ficar um pouco na sua cama, ou num colchão no seu quarto. Mas, assim que a situação extraordinária acabar, retome a rotina e explique que ele tem de dormir na cama dele.

Há quem não se importe em dividir a cama com as crianças. Se todo mundo estiver feliz, não há problema nenhum. O que não vale é mudar de opinião dependendo do dia, porque aí seu filho não vai ter a segurança de saber qual é o lugar certo para ele dormir.

Erro 6: passar do berço para a cama antes da hora
Seu filho completa 2 anos, e a família toda fica feliz e empolgada para mudar o quarto dele e colocá-lo numa cama para crianças grandes. Ou tem um irmãozinho chegando, e o berço passa para ele.

Só que, logo depois da mudança para a caminha, a criança começa a acordar no meio da noite, ou se recusa a adormecer.

Há muitas crianças que, até os 3 anos, ainda não estão prontas para deixar a segurança do berço para trás.

Solução: Espere até a criança estar pronta para deixar o berço, ou volte atrás e traga o berço de volta.

Perto dos 3 anos, pode ser que seu filho esteja ficando pronto para ir para a cama. Cada criança tem seu ritmo. Leia nosso artigo sobre essa transição e lembre-se de que ela não precisa ser definitiva. Você pode colocar a cama no quarto por um tempo, até a criança se acostumar, ou então deixar um colchão no chão para sonecas da tarde.

É mais ou menos como o desfraldamento. Às vezes voltar atrás é a melhor solução. Voltar para o berço não é uma tragédia. Por mais que adore o berço, não há nenhuma chance de ele ficar até os 10 anos nele…

A HORA DO SONO – PARTE 2

dormindo

Passados os três meses cruciais, Davi começou a dormir melhor. Conseguimos criar maneiras de deixa-lo calmo e adormecer no seu bercinho.
Como?
Percebi que por volta de 22:30hs ele começa a ficar enjoado e irritado, ou seja, com sono. Então, eu dou a última mamadeira do dia e, sonolento, mas ainda acordado, eu comecei a leva-lo para o quartinho. Fico lá, ao lado dele, acariciando suas mãozinhas ou só olhando para ele, até que os seus olhinhos iam fechando, fechando e ele adormecia. Cada dia mais rápido.
Durante a noite ele começou a resmungar, mas não igual a antes, chorar mesmo, é só um choramingo para colocar a chupeta na boca e volta a dormir.
Os dias foram ficando menos exaustivos e, claro, ainda não está 100% pois essas acordadas para colocar a chupeta acontecem umas três vezes durante a noite, mas pelo menos ele volta a dormir imediatamente e eu também. Hoje ele está com 9 meses e 26 dias e espero que melhore mais, até dormir a noite toda!

Dicas para melhorar o sono da criança:
Brasil Baby Center

Deixe-o gastar energia
Às vezes pode ser útil fazer seu filho gastar bastante energia antes de começar o ritual propriamente dito. “Meu filho corre pelado pela casa por uns 20 minutos, atrás do cachorro, para depois entrar no banho”, diz uma leitora. O importante é que a brincadeira agitada seja seguida de uma atividade bem mais calma.

Aposte no poder tranquilizador da água
O banho é uma das estratégias mais usadas pelos pais para acalmar a criança antes de dormir. A água é um tranquilizante natural, e a criança ainda fica limpinha e quentinha para ir para a cama. Mas existem aquelas que ficam excitadas demais no banho, e acabam se acelerando. Se for o caso do seu filho, dê o banho mais cedo e invista em atividades mais calmas perto da hora da cama, como ler uma história.

Cuidados básicos de higiene
Nada como aproveitar o ritual da hora de dormir para fazer todas aquelas coisas necessárias ao asseio e à higiene: escovar os dentes, trocar a fralda ou ir ao banheiro, dependendo da idade, colocar um pijama limpo. O hábito de escovar os dentes é essencial — quanto antes você começar, melhor, para que seu filho se acostume com ele.

Brincadeiras calmas
Jogar um jogo simples ou fazer uma brincadeira tranquila com seu filho antes de dormir é um ótimo jeito de passar um tempinho gostoso com ele — não precisa ser mais que 15 minutos –, principalmente se você passa muito tempo fora de casa.

Crianças mais velhas podem brincar com quebra-cabeças simples ou peças de encaixar. As mais novas podem brincar de esconde-esconde (esconda alguma coisa para ela achar). Vale cantar musiquinhas ou fazer brincadeiras que introduzam o conceito de números e até letras.

Bata um papo
A hora de dormir é uma boa oportunidade para conversar com a criança. Faça perguntas específicas, para conseguir respostas mais complexas. “Qual foi a coisa mais chata da escola hoje?” é mais promissor que “Foi tudo bem na escola hoje?”. Conversando com você, a criança tem chance de desabafar sobre algo que a esteja preocupando, e que possa prejudicar o sono.

Se seu filho não falar muito, você mesmo pode contar como foi o dia dele (e o seu). A vantagem é que você não vai precisar usar a imaginação para inventar histórias (nem todo mundo é tão criativo) e ele vai aprender novas palavras e aumentar seu vocabulário.

Boa noite para todo mundo
Muitas crianças gostam da brincadeira de dar boa noite para tudo e todos da casa: as pessoas, os bichos de estimação, os animais de pelúcia, a lua etc. etc. É divertido, mas você tem de saber quando parar, senão ele vai querer se despedir até o dia raiar… (Crianças desta idade são especialistas em enrolar na hora de dormir.)

Conte uma história
A historinha na hora de dormir tem inúmeras vantagens: acalma a criança, aproxima vocês dois, ensina novas palavras e abre novos mundos para ela. Determine um período de tempo ou um número de histórias, depois dê boa noite e diga que é hora de dormir.

Há várias opções:

• Conte uma história de cabeça: não é difícil lembrar os “Três Porquinhos” ou a “Chapeuzinho Vermelho”. Pode ser também algum filme apropriado para crianças. Faça vozes engraçadas e divirta-se (mas cuidado para não exagerar na bagunça).

• Conte a história de um filme ou desenho de que ele goste muito: seu filho vai gostar de reconhecer os personagens e você tem um “roteiro pronto” para seguir.

• Conte a história da vida dele: descreva como os pais se conheceram e começaram a namorar, como foi o dia em que ele nasceu, as peripécias de bebê…

• Conte uma história em tom repetitivo, monocórdico (meio chato mesmo, baixando a voz, para atrair o sono), dizendo, por exemplo, que, depois de brincar com a Branca de Neve, o Soneca foi dormir, o Zangado foi dormir, o Dengoso foi dormir, o Atchim foi dormir, assim por diante. Você pode usar essa estratégia em algum ponto de uma história normal, quando os personagens vão dormir — com sorte, o seu personagem principal vai dormir também.

• Invente uma história com ele como personagem: a criança pode colaborar na narrativa. É uma ótima forma de exercitar a imaginação.

• Leia um livro. Pode ser um livrinho com figuras, mas pode também ser um livro para crianças mais velhas. A vantagem é que a linguagem acaba sendo diferente daquela que você usa no dia-a-dia, e a criança tem acesso a um vocabulário novo. Até a estruturação das frases e o ritmo do texto são diferentes, o que contribui para ampliar as habilidades linguísticas dela.

Você pode deixar seu filho escolher a história. Prepare-se, porque certamente você vai ter de repetir a mesma história noites e noites a fio.

Cante canções de ninar
Tudo bem que seu filho já está maiorzinho, mas a voz dos pais ainda é seu som favorito, e uma canção de ninar faz maravilhas para acalmá-lo. “Escolho duas músicas por noite e canto para eles, depois canto a nossa música de boa noite”, conta uma leitora, mãe de dois meninos.

“Eles já sabem que aquela é a última. Às vezes eles cantam junto, mas na maioria das vezes só gostam de me ouvir cantar.” Vale a mesma dica: estabelecer um número fixo de músicas, para não ter de ficar cantando horas até ele finalmente fechar os olhos.

Toque música
O último passo do seu ritual pode ser colocar música suave para tocar, depois que você sai do quarto. Só é preciso tomar cuidado para que a música não acabe se tornando uma muleta: seu filho precisa conseguir adormecer sem ela, porque no meio da madrugada, por exemplo, não faz sentido ligar o som de novo.

Todos nós acordamos no meio da noite. Isso só vira um problema quando toda vez for preciso chamar a mamãe ou o papai (ou ligar o rádio, ou a TV…) para pegar no sono outra vez.

Deixe uma luz acesa
Na hora de sair do quarto, deixe uma luzinha acesa. Pode ser a luz do corredor ou do banheiro, ou aquelas lampadinhas especiais para crianças, bem fraquinhas, que são ligadas direto na tomada. Muitas crianças desta idade têm medo do escuro, e uma luz pode ajudar bastante.

A HORA DO SONO – Parte 1

lua

Um dos assuntos mais comentados pelas mamães de primeira viagem é o sono do bebê. São poucas as privilegiadas que foram contempladas com bebês calmos, que dormem como anjos.
A minha experiência foi a da maioria: noites exaustivas em claro, choradeira, cansaço e vontade de fugir.
Ainda no hospital o Davi já sinalizava que não seria fácil. Chorava muito. Quando as enfermeiras o levavam do quarto para o berçário, por volta de meia noite, eu tentava dormir um pouco. Porém, o relógio parecia correr mais do que o normal e dali a pouco eu já ouvia, pelo corredor da maternidade, aquele grito ficando cada vez mais próximo e eu já reconhecia, era ele! Até mesmo no berçário, no dia em que fomos dar o banho demonstrativo, o Davi era o único a berrar. Um casal que estava lá disse “Que pulmão hein!”. Sim, meu filho é poderoso! rs
E assim começou nossa rotina. Durante o dia ele era muito calmo, dormia a maior parte do tempo. Mas o menino era um despertador e era só dar 18:00hs que ele acordava e dali pra frente era uma choradeira só.
Sim, ele teve cólicas, não sabia mamar direito, mas mesmo com tudo resolvido era uma luta pra dormir.
Procurei ajuda com o pediatra, homeopata, livros, enfim, parecia que nada resolvia. Mas os meses foram passando e a única informação que bateu no meu caso foi que depois dos três meses melhoraria.
Eu acho que cada bebê, com a sua personalidade, age de uma forma diferente e não existe receita para resolver. Claro, métodos ajudam sim, são importantes, mas cada bebê terá seu próprio tempo de adaptação e aprendizado para entender que dormir não é o fim e que a mamãe estará ali quando acordar. Cabe aos pais um mundo de paciência para também aprender com ele e estabelecer uma rotina agradável, que acalme a criança. A medida que os meses vão passando, a tendência é melhorar mais.
Abaixo eu listo algumas dicas para trabalhar a rotina do sono com o bebê. Algumas deram certo, outras nem tanto, porém repito, cada bebê tem sua personalidade e seu tempo de adaptação:

1. Preste atenção nos sinais do sono: não espere até que ele esteja com muito sono, pois se você passar do ponto o bebê poderá ficar mais irritado e aumentar a dificuldade para adormecer.

2. Crie um ambiente agradável: próximo ao horário do sono, faça atividades tranquilas para diminuir a energia do bebê.

3. Ensine a diferença ente o dia e a noite: deixe os sons naturais da casa durante o dia, como o da máquina de lavar e televisão. Deixe os ambientes todos iluminados com a luz do dia, evite o silêncio absoluto. À noite, diminua as luzes dos ambientes e os sons para que o bebê entenda a diferença .

4.Quarto escuro e silencioso: Torne o ambiente aconchegante. Deixe o quarto com um iluminação que não incomode os olhos. Isso só vale para os bebês que já sabem a diferença entre o dia e a noite, antes dos 3 meses o quarto deve ter uma luminosidade para que o bebê saiba diferenciar o dia da noite.

5. Ritual do Sono: Deve ser o mesmo do sono noturno, porém nas sonecas ele deve ser “abreviado”.

6. Adormecer: incentivar o bebê a dormir sozinho, colocando-o já sonolento no berço.

7. Crie uma rotina na hora de dormir: um momento agradável, onde o bebê identifique que já é a hora de dormir, seja através da música, massagem, uma história, um momento de carinho…quando o conforto e segurança são essenciais para o bebê.