Visita ao pediatra: boas notícias e adivinhação

Oi gente!

Ontem foi dia de visitar o pediatra, consulta de rotina. Fazia quase três meses da última consulta, conforme vão ficando mais crescidinhos as visitas ficam mais distantes.
Bom eu estava bem curiosa para saber como está o desenvolvimento do Davi e sua saúde, mas também achava que o pediatra daria algum sinal de alerta (amarelo, não vermelho), quando soubesse que o Davi ainda não está andando totalmente sozinho.
Para minha alegria ele está ótimo, apesar do trabalho que deu quando teve tudo de uma vez (conjuntivite, tosse, reação alérgica) não teve mais nada e seu desenvolvimento está bem saudável. É uma criança grande, com 84cms (puxou para o papai).
E com relação a andar, o pediatra nos disse que tudo está dentro da normalidade. Como ele anda de mãos dadas ou apoiando nas coisas e fica de pé também, está no caminho e quase lá, até um ano e cinco meses essa etapa estará definitiva. Ufa, porque são tantas as cobranças e comparações 😦
Uma coisa que eu achei curiosa foi o fato da descrição do pediatra sobre algumas coisas que o Davi poderia estar fazendo:
Pediatra: “Nossa, esse aí é um foguete né? Tá na cara! Bom, acho que ele não pode ver uma gaveta fechada que já vai abrindo, não é? Controle remoto então, nem se fala? E celular, fica com o dedinho na tela e não adianta ser de brinquedo que ele nem liga!”
Eu disse: “Poxa doutor, parece que você está descrevendo exatamente o Davi. Pura coincidência essa semana eu ter comprado um celular de brinquedo para ele (achando que ele daria um tempo no nosso) e ele simplesmente ignorou!”
Experiência ou não do Dr. Pediatra, tudo bateu certinho!
Que legal, isso prova que graças a Deus meu pimpolho está crescendo bem e feliz e principalmente, cheio de saúde!
Só tenho que me sentir orgulhosa por isso e grata mais ainda à vovó, que é quem cuida dele e com quem ele fica a maior parte do tempo! Então, palmas à ela que cuida dele com muito amor e carinho! Obrigada minha mamãe (vovó do Davi) ♥
🙂

Hora do Sono: existe certo e errado?

certo ou

Olá!

Antes de ser mãe eu sempre ouvia muitas histórias relacionadas ao sono do bebê. A maioria delas relatava o sofrimento que é para o bebê dormir até conhecer e se acalmar sobre o lado daqui de fora.
Quando engravidei, fui logo pesquisando a respeito, pois queria estar expert no assunto quando o baby chegasse. Foi aí que que percebi o mundo de “receitas milagrosas”, livros e até simpatias para a temida hora do sono. Ouvi muitas e muitas vezes alguém me dizer: “Aproveita para dormir agora, porque depois…..”
Daí chegou o grande dia, a chegada do bebê. A impressão de que ele era calminho durou bem pouco, ainda no hospital eu ouvia um berreiro no corredor que ficava cada vez mais próximo e eu confirmava: era o Davi chegando!
E então pude comprovar o que sempre ouvia, pois o meu bebê também chorava muito durante a noite, acordava o tempo inteiro e eu, que achava que estava craque no assunto – sim, sabia de cor todas as “receitas mágicas” – mas na prática foi tudo por água abaixo!
Tentava de tudo e nada, cada dia parecia mais difícil e no retorno ao trabalho minha vontade era de jogar a toalha.
Bom, parece incrível, mas as coisas começaram a melhorar quando eu desencanei um pouco, deixei de lado as regras impostas por sei lá quem e decidi seguir o meu coração (com o aval do marido). Comecei a questionar se realmente existia certo e errado e testei outras formas.
Alguns dias eu ficava com ele no colo e quando via que realmente tinha “apagado” o colocava no berço, outros eu percebi que ele estava mais calminho e levava para o berço e lá ele adormecia, em outros casos ele estava resmungão, acordava muito e então eu o colocava em nossa cama e por lá ficava.
Percebi que os ânimos estavam mais calmos em casa, assim como minha disposição, humor e até o rendimento no trabalho.
Conclusão: acho maravilhoso aquelas mamães que conseguem estabelecer uma rotina certinha todos os dias, melhor ainda quando o bebê já chega com uma personalidade calminha. Mas também acho que ter sua própria “receita” não deixa de ser uma rotina.
Hoje, consigo dormir bem melhor. Como o Davi já está com 1 ano e três meses, brinca muito durante o dia e se cansa mais, o que favorece um sono mais pesado. Mas tem dias em que está bem agitado, então nada de stress para dormir no horário certo, simplesmente a hora em que vamos “desligar”, o coloco na minha cama, em pouco tempo ele adormece e então eu o levo para o seu quarto. Tem funcionado dessa forma.
Para mim, o mais importante é ver todo mundo satisfeito. Ter uma boa noite de sono e uma rotina diária saudável para todo mundo.
Um dia eles vão crescer, dormir em suas camas ou então, nem voltar para casa! Daí são mais noites em claro, né mamães? Mas até lá….bons sonhos a todas! ♥

1 ano e três meses!

Oiê!

Desde que descobri que estava grávida, ficava pulando de site em site especializado no assunto, a fim de reunir informações sobre cada fase da gestação. Semana a semana eu pesquisava a evolução da gravidez, para saber como estava meu bebê.
Depois que o Davi nasceu, deixei um pouco de lado essas pesquisas, talvez por já estar vendo com meus próprios olhos o desenvolvimento do pequeno. Acho que isso diminuiu um pouco o meu interesse nesse tipo de pesquisa mês a mês.
Porém, como hoje ele completa 1 ano e três meses e percebi algumas mudanças bem rápidas, resolvi buscar informações a respeito e vi que muitas atitudes citadas, mas muitas mesmo, realmente batem com o que estamos vivendo.
Vou postar então e matéria que li hoje no site do Baby Center, para que entendam bem nosso momento:

🙂 A criança de 1 ano e 3 meses:

Cerca de 90% dos bebês já estão andando com esta idade, ou prestes a (que é o caso do Davi). São tantas as novidades que esta fase é chamada de “a época dos marcos do desenvolvimento” pelos especialistas. De uma hora para outra a criança quer usar uma cadeira normal, não o cadeirão, quer falar no telefone, quer apertar os botões do controle remoto, qualquer coisa “de adulto”.

Ir ao supermercado com seu filho pode ser difícil: ele não vai querer ficar sentado no carrinho e, se ficar solto, vai mexer em tudo, querendo tirar cada coisa da prateleira. Ele não está sendo desobediente. Só está pondo em prática todas as suas novas habilidades físicas.

Não se preocupe se seu filho ainda não se animou para andar. Ele está chegando lá. (Ufa! rs)

🙂 Mãozinhas ocupadas

Para aproveitar tanta energia, experimente uma brincadeira com uma daquelas bolas de parque, grandes e levinhas. A criança já consegue segurá-la quando ela é rolada na direção dela (mesmo que não todas as vezes).

Brinquedos parecidos com coisas de adulto fazem grande sucesso. Um jogo de chaves de plástico, um pente ou uma escova, talvez dentro de uma bolsa que você não usa mais. Outra coisa que você pode fazer é deixar seu filho explorar embalagens vazias. Ele vai ficar entretido tentando encaixar a tampa. Só cuidado com objetos pequenos, porque a criança pode colocá-los na boca e engasgar.

🙂 Você tem um furacão em casa? (R. Sim, chama Davi kkk)

É igualzinho a um furacão: caótico, cheio de energia, e tudo gira em torno dele. Seu filho está em plena exploração social, e vai imitar todos os gestos dos adultos, para ver como você reage. E, como é esperto, logo descobrirá que com risadas e gracinhas consegue muita coisa (e com choramingos também, dependendo de quem estiver tomando conta…).

Vale a pena também se esforçar para que seu filho conviva com crianças um pouco mais velhas, que possam comandar uma brincadeira de faz-de-conta. Os pequenos aprendem, além de novos jeitos de brincar e de imaginar, a colaborar com os amigos.

Você também pode brincar de faz-de-conta. Faça comida de mentirinha e deixe-o alimentar você com uma colher. Ou brinque que ele é um cachorrão e você é um gatinho indefeso. Crianças adoram esse tipo de inversão, quando o adulto fica frágil e elas podem ser as fortes e poderosas.

😦 A hora do pesadelo

Conforme seu filho começa a usar mais a imaginação, podem aparecer os primeiros pesadelos. É provável que ele ainda não consiga explicar para você o que sonhou. Tente acalmá-lo falando baixinho e fazendo carinho nas costas dele até que ele adormeça de novo.

A criança ainda não distingue o sonho da realidade. Vale a pena conversar com ela e explicar o que são os sonhos, talvez com a ajuda de um livro ou uma história. Existem bons livrinhos que brincam com o conceito do medo.

Pode ser também que seu filho comece a se recusar a ir para a cama, não por causa do medo, mas porque não quer parar de brincar. Ele não quer perder nenhuma possível aventura! A criação de rotinas e rituais interessantes para essa hora vai ajudar vocês a acabar com o estresse de toda noite.

🙂 Temperamento forte (E como tem!!!)

Como a comunicação ainda não está totalmente desenvolvida, tente prestar atenção ao que seu filho está tentando dizer, para ver se consegue evitar um pouco os gritos e as birras.

A má notícia é que os escândalos e birras vão ser mais frequentes a partir de agora. A boa é que esses ataques de fúria são geralmente rápidos. É verdade que eles podem ser bem inconvenientes: no meio da loja ou naquela festa de família.

Você vai precisar experimentar formas diferentes de lidar com seu filho nessas horas para ver o que funciona melhor para vocês, porque não há solução mágica.

Identificar o motivo é uma boa saída: muitas vezes o drama acontece porque a criança está excitada. Muita gente junta, luzes e barulhos, e a confusão pode ser demais para o seu filho. Sono e fome também colaboram para a irritação (de adultos também, não é?).

Você pode usar várias estratégias para acabar com a crise: pegar seu filho no colo e falar baixinho com ele, levá-lo para um lugar mais vazio e deixá-lo se jogar no chão à vontade, deixá-lo um pouco sozinho no quarto. Veja o que dá mais certo (ou menos errado), tanto para ele quanto para você, porque é muito difícil enfrentar essa situação, principalmente se fica todo mundo olhando com cara de reprovação.

🙂 Cumprindo ordens

Com esta idade, o vocabulário de 75% das crianças consiste de “mamá” e “papá” e mais pelo menos três palavras (como “au-au”, “tchau” e “bô” para “acabou”). “Não” também costuma entrar na lista. A criança de 1 ano e 3 meses consegue cumprir ordens simples: “Vai buscar o seu sapato”.

Uma das melhores formas de estimular a fala da criança é escutá-la. Mesmo sem entender nada, olhe nos olhos dela quando ela tenta se comunicar, e mostre que está prestando atenção, para que ela não desista.

Caso seu filho não seja dos mais falantes, leia bastantes livros para ele, ou simplesmente aponte as figuras dizendo seu nome. Procure falar como “gente grande”: mesmo dizendo “au-au”, deixe claro que o nome certo é cachorro ou cão.

A partir de agora ele vai ter mais paciência para observar os livrinhos. Você pode contar a história enquanto a criança brinca com outra coisa no chão, se ela não quiser ficar quietinha manuseando o livro.

Fonte: http://brasil.babycenter.com/a3400506/a-crian%C3%A7a-de-1-ano-e-3–meses

O vocabulário do Davi

blá

Oi gente.

Estamos numa fase muito bacana de blá, blá, blá! Como assim?!
Bom, está maior divertido ver e ouvir o Davi querer se expressar com as palavras. É um tal de enrola daqui, aponta pra lá, baba pra sair alguma coisa, enfim, saindo nitidamente alguma palavrinha ou não, a verdade é que ele começou com um falatório danado e ai de quem não der atenção quando ele estiver “contando um causo” kkkkkk ele chega a berrar para virarmos o rosto e prestar atenção nele.
Muitas palavras ainda saem enroladas, do jeitinho dele, mas com a nossa convivência, para nós fica claro o que ele está pedindo, contando ou mostrando.
Eis aqui uma amostra do Vocabulário do Davi Lucca:

🙂 Papai e mamãe: Ahhh essas duas palavrinhas saem bem direitinho! (Ai dele de começar a me chamar de Vivi de novo! Esses dias começou com essa! 😦 kkkkk

🙂 Bola: bola – tipo assim: “Alá a bola!” rss

🙂 Aua: água

🙂 Tá lá – cadê o papai Davi? – Resposta: “Tá lá” kkkkkkk

🙂 vida, vida, vidaaaaaaaa – na abertura da novela! kkkkkkkkk

🙂 vovó

🙂 Bááááá: nada de vovô. Minha mãe chama meu pai de Má, portanto, ele chama de Bá!

🙂 Dadááádi: Saudade! (uma delícia! Sem contar a entonação rsss)

🙂 Papá: tudo que seja de comer

🙂 Ame: Te amo (ahhhhhhhhhhhhh)

🙂 Minina: menina

🙂 nenê/bebê: nenê e bebê, ué! rsss

🙂 “A úa”: olha a lua kkkk

🙂 Lili: Lilian, a tia.

🙂 Tata: a prima

🙂 Baba: a madrinha chamamos de Baby. Para ele, Baba

🙂 Pipa: Pipa

🙂 Peppa Pig: Peppa, a do desenho animado!

🙂 Piu Piu: passarinho ou patinho, ainda tô na dúvida! kkkkkk

🙂 Au au: cachorro

Nossa, quanta coisa relacionei! Claro, que sempre ensinamos e mostramos a ele o jeito e o nome correto das coisas, mas esse jogo de tentar falar e se expressar com a gente, do jeitinho dele, é a coisa mais fofa e deliciosa do mundo. Isso mostra o quanto ele está aprendendo e despertando para o mundo!
E vamos lá: blá, blá, blá e blá, blá, blá…………

Segunda-feira = saudade

Oi 🙂

Está comprovado (por mim e pelo meu coração apertado rsss), que definitivamente segunda-feira é dia de saudade. Sim, porque os dois dias do final de semana, são aqueles em que ficamos juntinhos o dia inteirinho, são dedicados inteiramente ao Davi. Brincamos o dia inteiro, espalhamos os brinquedos pela casa, descemos para o parquinho, preparo o almoço com o maior carinho, ficamos agarradinhos no cochilo da tarde, assistimos desenho deitados na cama, espalhamos a água na hora do banho, enfim, curtimos cada minuto do final semana só nós três: papai, mamãe e Davi.
Só que quando chega o anoitecer do domingo, a gente já começa “choramingar” que está acabando. Que no outro dia já começa a correria da semana, logo cedo o tiro da cama para levá-lo para a casa da vovó e só voltamos a nos ver à noite, por algumas horinhas.
Então, quando chego ao trabalho, só consigo pensar em como foi gostoso o nosso final de semana. Fico lembrando daquela carinha sapeca, do seu sorriso, das suas brincadeiras, travessuras e dos seus carinhos e beijinhos. Ahhhhhh como é bom!
Mas a mamãe precisa trabalhar, assim como o papai, para poder proporcionar aquilo que ele precisa para crescer saudável e feliz.
E tudo bem….eu espero a semana passar para chegar o próximo sábado e domingo e a gente se divertir ainda mais e se apaixonar mais um pelo outro!

TE AMO UM TANTÃO ASSIM!
images

Tempo: o grande comandante

tempo

Bom dia.

Essa última semana eu tenho lido alguns textos falando sobre o tempo, não o tempo meteorológico, mas sim o tempo cronológico, aqueles que contamos e que a cada dia parece que sua velocidade aumenta. E essa percepção de velocidade acelerada faz nossa mente ficar tão alienada, que situações importantes da nossa vida passam, às vezes despercebidas. Uma dessas situações e talvez uma das mais importantes (se não for a mais), é o tempo que dedicamos aos nossos filhos. Como esse tempo está sendo aproveitado?
É sabido que vivemos rodeados de atividades profissionais, cotidianas e domésticas que necessitam do nosso tempo, parecemos robôs desregulados, querendo dar conta de tudo, mas o fato é: não somos robôs e não damos conta de tudo. Por isso é preciso sempre PARAR e avaliar, fazer uma retrospectiva sobre como estamos dedicando nosso precioso tempo aos nossos queridos filhos, que esperam de nós oferecer atenção e carinho para que eles possam crescer seguros e formando o conteúdo necessário para a formação da bagagem para o seu crescimento. E tudo isso será refletido mais tarde no seu comportamento na sociedade.
Bom, falei tudo isso apenas para demonstrar o quanto o Sr. Tempo é o comandante da nossa vida, porém, podemos entrar num acordo com ele, sua reação dependerá das nossas ações, ele será generoso conosco se soubermos fazer a escolha certa.
Vou deixar aqui um dos textos que li essa semana, apenas para servir como reflexão. Já o li algumas outras vezes, em muitos sites, não sei o verdadeiro autor, mas vale a leitura.
Ahhhhh, uma coisa importante: Apesar do Sr. Tempo estar com bastante pressa ultimamente, fazendo os dias parecerem mais curtos, saibam que a qualidade com que passamos cada parte dele é o ponto crucial para que tenhamos um saldo positivo e satisfação no final de cada “expediente”.
Boa reflexão!

Tempo para os filhos – Uma mensagem aos pais

FILHO: “Pai, posso fazer uma pergunta?”
PAI: “Sim, claro, o que é?”
FILHO: “Pai, quanto você ganha em uma hora?”
PAI: “Isso não é da sua conta, por que você pergunta uma coisa dessas?”
FILHO: “. Eu só quero saber – Por favor me diga, quanto você ganha em uma hora?”
PAI: “Se você quer saber, eu ganho R$ 100 por hora.”
FILHO: “Oh (com a cabeça para baixo)!
FILHO: “Pai, posso pedir por favor R$ 50?”
E, O pai se enfurece.
PAI: “Se a única razão que você perguntou é essa , para conseguir algum dinheiro e comprar mais um brinquedo ou alguma outra coisa sem sentido?
PAI:-Vá direto para o seu quarto ,para sua cama,e pense o por que você está sendo tão egoísta. Eu trabalhando duro todos os dias para ver tal comportamento infantil “.

O menino foi calado para o seu quarto e fechou a porta.
O homem sentou e começou a ficar ainda mais nervoso sobre as questões do menino.

PAI: Como ele ousa fazer tais perguntas só para conseguir algum dinheiro?

Depois de cerca de uma hora, o homem tinha se acalmado e começou a pensar:
Talvez houvesse algo que ele realmente precisasse comprar com esses R$ 50 ,e ele realmente não pedia dinheiro com muita freqüência.
O homem foi até a porta do quarto do menino e abriu a porta.

PAI: “Você está dormindo, meu filho?”
FILHO: “Não pai, estou acordado”.
PAI: “Eu estive pensando, talvez eu tenha sido muito duro com você antes.
-Tive um longo dia , e não deveria ter descontado meu stress em voce
Aqui estão os R $ 50 que você pediu…”

O menino se levantou sorrindo.

FILHO: “Oh, obrigado pai!”

Então, chegando em seu travesseiro ele puxou alguns trocados amassados.
O homem viu que o menino já tinha algum dinheiro, começou a se enfurecer novamente.
O menino lentamente contou o seu dinheiro, e em seguida olhou para seu pai.

PAI: “Por que você quer mais dinheiro se você já tem? ”
FILHO: “Porque eu não tinha o suficiente, mas agora eu tenho.
FILHO: “Papai, eu tenho R$ 100 agora. Posso comprar uma hora do seu tempo?
Por favor, venha para casa amanhã cedo. Gostaria de jantar com você.”
O pai foi esmagado. Ele colocou os braços em volta de seu filho, e pediu o seu perdão.

Para refletir:

“Será que estamos dedicando tempo suficiente aos nosso filhos?”

Delícia de final de semana

Oi 🙂

Esse final de semana foi incrível! Fizemos aquilo que mais gostamos nessa vida: viajar para a praia! Oooooooo meu Deus, fazia tempo que não íamos, desde os preparativos para o aniversário do Davi (comemoramos no início de novembro), depois os aniversários em família, as confraternizações e por fim, o Natal e o Ano Novo que decidimos passar no campo, na casa do meu irmão.
Eu estava com tanta, mas tanta vontade de voltar à praia, que na sexta-feira eu parecia criança no passeio me perguntado a toda hora “Falta muito?” rssss
O melhor de tudo isso foi esse verão e o calor maravilhoso que está fazendo. Poder levar o Davi para brincar sossegado na praia, pois no ano passado, nas poucas vezes que fomos à praia o tempo não ajudou muito.
Nesse final de semana foi diferente: teve piscininha na areia da praia, picolé, água do mar, brinquedos na areia e muita diversão. Fiquei impressionada com a alegria do pequeno ao chegar na água do mar. Ele também estava muito feliz, adora quando as ondas chegam e batem nos seus pezinhos. Cada vez que a água chegava até ele era uma gargalhada deliciosa. O deixei bem a vontade, sentou na água, ia atrás da bola e se deixasse ia cada vez mais para dentro do mar. O difícil era tirá-lo de lá!
Temíamos ter que ficar pouco tempo na areia, por causa dos horários de almoço, banho e soneca. Mas não, ele se comportou adoravelmente e como estamos bem pertinho de casa, levamos frutinhas, sucos, iogurte e o papá chegava quentinho e fresquinho feito pela vovó, daí era só mandar ver e depois tirar uma soneca no colo da mamãe (isso quando ele se rendia à soneca, pois só queria brincar, brincar e brincar).
Além disso ele aprendeu a tomar suco no canudinho! he he he Sei que é só um pequeno detalhe, mas para mim é uma grande conquista! Foi tão bonitinho, o papai e a prima foram explicando direitinho como fazia, ele nunca teve paciência para prestar atenção, mas dessa vez ele ficou atento aos dois e na primeira tentativa, mordeu um pouco o canudinho, mas foi logo sugando, sugando e quando o suco saiu ele logo soltou um alto “eeeeeeeeeeeee”, batendo palminhas para ele mesmo, maior legal!
E assim foi nosso final de semana, cheio de diversão, alegria e um bom descanso que eu estava merecendo faz tempo!
Obrigada Papai do Céu, muito Obrigada!

Olha a carinha de feliz! Mamãe mais feliz ainda!

Olha a carinha de feliz! Mamãe mais feliz ainda!